quarta-feira, 27 de julho de 2011

Diário das minhas aulas de condução: Dia II

Quarta-feira dia 27 de Julho de 2011
Angra do Heroísmo
Hoje acordei mesmo cedo, realmente é possível acordar cedo nas férias de verão! Ás 7h15 lá tocou a musica I'm Yours de Jason Mraz do meu telemóvel, ou melhor do antigo telemóvel da minha mãe que me está emprestado visto que eu perdi o meu, como é um telemóvel muito rodado cá em casa para além de estar com as teclas coladas a fita-cola, tem imensas musicas, consoante o estilo do mutável proprietário! Assim sendo, nada melhor que no verão acordar com uma musica fresca (ainda estava indecisa sobre a opção da musica a cavalgada das valquírias de Wagner).
Depois de tomar o pequeno almoço, lá estava o senhor Júlio à minha espera, a cantar Amália o famoso tema: tudo isto existe, tudo isto é fado! Desta vez para além da pagela ao beato Papa João Paulo II, também rezei um acto de contrição (olha que dá muito jeito nestas situações). Eram 8h da manhã, e há gente na rua às 8h da manhã em pelo Julho! Na verdade mal sabia que este ia ser um grande dia, o dia que eu ia dar a minha primeira apitadela e atenção apitei a uma senhora de São Mateus que ia completamente para cima de mim, ela respondeu palavras feias deu para ler nos lábios, será o inicio de muitos palavrões?
Foi também o dia que eu levei à letra o "estar à vontade" e cometi a infracção de excesso de velocidade a 80km na recta da achada! Foi o dia que passei 4 vezes pela rua da Sé, foi o dia que dei valor ao acto de atravessar dentro das passadeiras, das passadeiras meus senhores!
Fui até São Mateus, à Via Rápida, consegui recuar e fazer inversão de marcha, apesar do quase trocicolo e já conduzo com óculos de sol, é bom para o estilo! Enquanto isso ouvi as histórias familiares do senhor Júlio, pois tinha perguntado se ele tinha filhos, e isso foi o inicio de 20 e tal anos de conversa e de um antigo casamento, na qual contou-me a sua vida, e digamos que falou até sobre a sua morte pois andou a construir o seu jazigo, não quer ser enterrado por causa dos ratos!
Por fim, quando estacionei o carro à frente da minha casa, pensei gosto mesmo disto...talvez um dia me vejam no Spa-Francorchamps!!!

2 comentários:

Mariana disse...

Estou a adorar seguir estas aventuras. Acho muito bem o senhor não querer ser enterrado por causa dos ratos, é quando estamos mortos que realmente eles incomodam mais, eh! :)

Margarida Benedita M. M. (antiga Morcela) disse...

Sim, havia mais historias para contar, mas não quero abusar ahahah hoje ja vai sair o dia III :) beijinhos